terça-feira, 10 de agosto de 2010

"Os F1 do Piquet" - 1985 - O fim do ciclo Brabham

Brabham BT54 (BMW L4 Turbo).

Se o ano de 1984 foi decepcionante para a equipe Brabham e em especial para o bicampeão mundial Nelson Piquet, a temporada de 1985 foi algo para se esquecer.
Desde o título de 1983 a Brabham havia perdido o rumo na construção de bons chassis, a genialidade do projetista Gordon Murray sofreu uma espécie de colapso temporário e os motores BMW já não estavam em sua melhor forma.
O novo carro, o BT54, surgia com desenho totalmente limpo. As entradas/saídas de ar foram posicionadas bem mais a frente e sua altura foi diminuída. Uma aposta eram os pneus Pirelli que eram usados apenas pelas equipes "pequenas", sendo que as grandes usavam pneus Goodyear.
Lodo no início o BT54 mostrou ser extremamente frágil. A transmissão era o principal ponto fraco e aliado a um motor incostante, a Brabham só conseguiu marcar seu primeiro ponto no GP dos EUA em Detroit, a 6ª etapa da temporada. Na corrida seguinte, o GP da França em Paul Ricard, Piquet consegue uma vitória inesperada (a última na história da Brabham) graças a resistência dos pneus Pirelli.
Já na metade da temporada Nelson Piquet percebe que o destino da Brabham era ficar cada vez pior e toma a decisão de assinar com a Williams.
Piquet ainda consegue o 2º lugar no GP da Itália em Monza, mas fracassa em marcar pontos nos GPs da Europa, África do Sul e Austrália, os últimos da temporada.
Soma 21 pontos e fica em 8º lugar no campeonato.
O ciclo na Brabham havia terminado.

5 comentários:

Rui Amaral Lemos Jr disse...

Meu caro Ararê, não canso de admirar e elogiar sempre seus belos trabalhos. Parabens.

Rui

Tohmé disse...

Ararê, só com seu desenho vi a beleza das linhas dessa última Brabham. Não vou dar mais parabéns...Você recebe muitos...he, he

Mauricio Morais disse...

Ararê, parece que todo mundo tem uma fase, ou várias, de baixa. Será que o que aconteceu com o Gordon vai acontecer com o Adrian Newey, o cara está na ativa, ganhando tudo a mais de 10 anos.
Bela ilustra, e o conteúdo histórico está cada vez melhor.

Mario Estivalet disse...

Arare, seu material está excelente. Não só a arte mostrando as variações que os carros sofreram versão a versão, mas também a parte histórica que voce vem relatando. Certamente a pesquisa deve ser bastante "pesada".
Espero que o Piquet esteja vendo este material e revivendo as boas lembranças.

Ararê Ilustração disse...

Obrigado pessoal.
Maurício, o Adrian Newey trabalhou com os Fittipaldi na equipe brasileira de F1.
Mário, o desenvolvimento das ilustrações, assim como a história de cada carro, requer muita pesquisa mas é um grande prazer o resultado final.
O Nelsão deve estar sabendo porque tenho feito algumas caricas pro Nelsinho e com a internet...

Um abraço!